Problemática socioambiental urbana: estado da arte a partir do simpósio nacional de geografia urbana (2013 e 2015)

Resumo


O artigo propõe-se a analisar o estado da arte da problemática socioambiental urbana no contexto do Simpósio Nacional de Geografia Urbana (SIMPURB), abarcando o exame das particularidades a partir das quais os problemas socioambientais urbanos têm sido tematizados. O recorte temporal compreendeu os anos de 2013 e 2015. A metodologia comportou revisão bibliográfica pautada no método hipotético-dedutivo e na técnica de análise de conteúdo. Os resultados do estado da arte demonstraram um conjunto de particularidades subjacentes ao objeto temático em foco, com destaque para as investigações sobre conflitos socioambientais, riscos, vulnerabilidades, resíduos sólidos e degradação dos recursos hídricos. Essas múltiplas possibilidades de enfoque evidenciam a diversidade e complexidade da produção geográfica brasileira diante das questões socioambientais inerentes aos espaços urbanos


Biografia dos Autores

Francisco Jonh Lennon Tavares Silva, Universidade Federal do Piauí (UFPI)

Mestrando no Programa de Pós-graduação em Geografia da Universidade Federal do Piauí.

Cláudia Maria Sabóia de Aquino, Universidade Federal do Piauí (UFPI)

Docente do Programa de Pós-graduação em Geografia da Universidade Federal do Piauí.

Referências

ALBUQUERQUE, E. L. S. Avaliação das condições socioambientais em bacias hidrográficas costeiras: contribuição ao ordenamento territorial do setor leste da Região Metropolitana de Fortaleza, Ceará. 258f. Tese (Doutorado em Geografia). Universidade Estadual do Ceará. Programa de Pós-Graduação em Geografia, Fortaleza, 2015.
ALMEIDA, L. Q. Riscos ambientais e vulnerabilidades nas cidades brasileiras: conceitos, metodologias e aplicações. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2012.
BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 1977.
BERTRAND G.; BERTRAND, C. Uma geografia transversal e de travessias: o meio ambiente através dos territórios e das temporalidades. Maringá: Ed. Massoni, 2007.
CAMARGO, L. H. R. A ruptura do meio ambiente: conhecendo as mudanças ambientais do planeta através de uma nova percepção da ciência – a geografia da complexidade. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2005.
CHRISTOFOLETTI, A. Modelagem de sistemas ambientais. São Paulo: Edgar Blücher, 2001.
CLAVAL, P. Epistemologia da Geografia. 2. ed. Florianópolis: Editora da UFSC, 2014.
COELHO, M. C. N. Impactos ambientais em áreas urbanas: teorias, conceitos e métodos de pesquisa. In: GUERRA, A. J. T.; CUNHA, S. B. Impactos ambientais urbanos no Brasil (Org.). 4. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2006.
DESCHAMPS, M. V. Vulnerabilidade socioambiental na região metropolitana de Curitiba. 155f. Tese (Doutorado em Meio Ambiente e Desenvolvimento). Universidade Federal do Paraná. Curitiba, 2004.
DINIZ, M. T. M. Contribuições ao ensino do método hipotético-dedutivo a estudantes de Geografia. Geografia Ensino & Pesquisa, v. 19, n. 2, p. 107-111, 2015.
MENDONÇA, F. Geografia socioambiental. In: MENDONÇA, F.; KOZEL, S. Elementos de epistemologia da Geografia contemporânea (Org.). Curitiba: Editora da UFPR, 2002. p. 121-144.
______. S. A. U. – Sistema socioambiental urbano: uma abordagem dos problemas socioambientais da cidade. In: MENDONÇA, F. Impactos socioambientais urbanos. Curitiba: Editora da UFPR, 2004. p. 185-207.
______. Riscos, vulnerabilidades e resiliência socioambientais urbanas: inovações na analise geográfica. Revista da ANPEGE, v. 7, n. 1, p. 111-118, 2011.
______. Geografia e meio ambiente. 9. ed. São Paulo: Contexto, 2014.
MENDONÇA, F.; BUFFON, E. A. M.; CASTELHANO, F. J.; SITOE, G. Resiliência socioambiental-espacial urbana a inundações: possibilidades e limites no bairro Cajuru em Curitiba (PR). Revista da ANPEGE, v. 12, n. 19, p. 279-298, 2016.
MORAES, A. C. R. Meio ambiente e ciências humanas. 2. ed. São Paulo: HUCITEC, 1997.
MOREIRA, R. O discurso do avesso: para a crítica da Geografia que se ensina. São Paulo: Contexto, 2014.
PINTO, L. R. A abordagem socioambiental na geografia brasileira: particularidades e tendências. 199f. Tese (Doutorado em Geografia). Programa de Pós Graduação em Geografia. Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2015.
REIS JÚNIOR, D. F. D. O humano pelo viés quantitativo: um exame do (neo)positivismo em Speridião Faissol, através da leitura de textos selecionados. 141f. Dissertação (Mestrado em Geografia). Universidade Estadual Paulista, Instituto de Geociências e Ciências Exatas, 2003.
RODRIGUES, A. M. Produção e consumo do e no Espaço: problemática ambiental urbana. São Paulo: Hucitec, 1998.
ROSS, L. J. S. Ecogeografia do Brasil: subsídios para o planejamento ambiental. São Paulo: Oficina de Textos, 2006.
SANTOS, J. O. Fragilidade e Riscos Socioambientais em Fortaleza-CE: contribuições ao ordenamento territorial. 331f. Tese (Doutorado em Geografia). Programa de Pós-Graduação em Geografia Física. Universidade de São Paulo. São Paulo, 2011.
SANTOS, J. O.; ROSS, J. L. S. Fragilidade ambiental urbana. Revista da ANPEGE, v. 8, n. 10, p. 127-144, 2012.
SIMPÓSIO NACIONAL DE GEOGRAFIA URBANA, 13., “Ciência e Política: Por uma Abordagem Crítica”, Rio de Janeiro, RJ, 2013. Anais... Rio de Janeiro, RJ, 2013. 1 CD-ROM.
SIMPÓSIO NACIONAL DE GEOGRAFIA URBANA, 14., “Perspectivas e Abordagens da Geografia Urbana no Século XXI”, Fortaleza, CE, 2015. Anais... Fortaleza, CE, 2015. 1 CD-ROM.
SOTCHAVA, V. B. O estudo de geossistemas. Métodos em questão, IG/USP, n.16, p. 2-52. São Paulo, 1977.
SOUZA, M. B.; MARIANO, Z. F. Geografia Física e a questão ambiental no Brasil. Revista GEOUSP, n. 23, p. 77-98, 2008.
SUERTEGARAY, D. M. A. Geografia física (?) Geografia ambiental (?) ou Geografia e ambiente (?). In: MENDONÇA, F.; KOZEL, S. (Org.). Elementos de epistemologia da Geografia contemporânea. Curitiba. Editora da UFPR, 2002.
TRICART, J. Ecodinâmica. Rio de Janeiro, IBGE-SUPREM, 1977.
VICENTE, L. E.; PEREZ FILHO, A. Abordagem sistêmica e Geografia. Geografia, Rio Claro, v. 28, n. 3, p. 323-344, 2003.
Publicado
01/05/2018
Como Citar
SILVA, Francisco Jonh Lennon Tavares; AQUINO, Cláudia Maria Sabóia de. Problemática socioambiental urbana: estado da arte a partir do simpósio nacional de geografia urbana (2013 e 2015). Geosaberes, Fortaleza, v. 9, n. 18, p. 1 - 11, maio 2018. ISSN 2178-0463. Disponível em: <http://geosaberes.ufc.br/geosaberes/article/view/631>. Acesso em: 25 set. 2018. doi: https://doi.org/10.26895/geosaberes.v9i18.631.
Seção
ARTIGOS

Palavras-chave

Problemas socioambientais urbanos. Tendências temáticas. Estado da arte. SIMPURB.