Geografia da religião, fé evangélica e espaço

Resumo

Esta pesquisa busca, por meio de revisão literária, identificar se e como a literatura disponível em Geografia da Religião fornece subsídios para interpretar a espacialidade evangélica no território brasileiro bem como a expansão territorial desta fé verificada nas ultimas décadas. Da mesma maneira, busca-se mostrar como as ressignificações identitárias, culturais e evangelísticas, decorridas neste meio, prefiguram diversas formas de interpretação do texto bíblico que por sua vez repercutem em distintas formas de apropriação e cognição espacial por esses sujeitos. Percebe-se que a sacralidade do espaço condicionada à presença, percepção e consenso dos fieis evangélicos assume um caráter cambiante que supera aspectos materiais e locacionais para se enquadrar conformação simbólica e subjetiva do espaço.

Biografia do Autor

Diego Martins Cruz, Universidade Federal de Minas Gerais

Professor da educação básica em Geografia da Secretaria de Estado de Educação de Minas Gerais (MG) e Pesquisador do Grupo de Estudos em Ensino e Pesquisa em Geografia (GEPEGEO), Instituto de Geociências (IGC/UFMG)

Referências

ABUMANSSUR, Edim Sued. As moradas de Deus: Arquitetura de igrejas Protestantes e Pentecostais. São Paulo Editora: Novo Século, 2004.200 p.
AUGÉ, Marc. Não lugares: Introdução a uma antropologia da supermodernidade. Campinas, Papiros,1994. 111p.
BÍBLIA SAGRADA. Tradução: CNBB Conferencia Nacional de Bispos do Brasil. 10ª edição. São Paulo Ed: Canção Nova, 2002. 1563p.
BOURDIEU, Pierre. A economia das trocas simbólicas. Tradução de Sérgio Miceli et al. São Paulo, Perspectiva, 1987. 361p.
CASSIRER, Ernst. Ensaio Sobre o Homem. São Paulo, Martins Fontes, 2001. 400p.
CERTEAU, Michel de. A invenção do cotidiano. Artes de fazer. Petropolis,Vozes,1996.352p.
CUNHA, Magali do Nascimento. A explosão gospel: um olhar das ciências humanas sobre o cenário evangélico no Brasil. Rio De Janeiro, Mauad X: Instituto Mysterium, 2007. 231p
DURKHEIM, Émile. As formas elementares da vida religiosa. São Paulo, Martins Fontes, 1996. 609p.
ELIADE, Mircea. O sagrado e o profano: a essência das religiões. Trad. Rogério Fernandes. São Paulo: Martins Fontes, 1992. 109p.
GIL FILHO, Sylvio F. Espacialidades de Conformação Simbólica em Geografia da Religião: um Ensaio Epistemológico. Espaço e Cultura UERJ (RJ) n. 32, p.78-90, Jul./ Dez. de 2012. Disponível em: http://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/espacoecultura/ Acessado em: 13/05/2015.
GIL FILHO, Sylvio Fausto. Espaço sagrado: estudos em Geografia da religião. Curitiba: Ed. IBPEX, 2008.
GIL FILHO, Sylvio. Geografia da Religião: reconstruções teóricas sob o idealismo critico. In: GIL FILHO, Sylvio F; KOZEL, Salete; SILVA, Josué D.C. (orgs.) Da percepção e cognição à representação: reconstruções teóricas da Geografia cultural e humanista. São Paulo, Ed: Terceira Margem, 2006.
MARIANO, Ricardo. Neopentecostais: sociologia do novo pentecostalismo no Brasil. 3ºed. São Paulo: Loyola, 1999. 246p.
PEREIRA, Clevisson Junior; GIL FILHO, Sylvio Fausto. Geografia Da Religião E Espaço Sagrado: diferenças entre as noções de lócus material e conformação simbólica. Ateliê Geográfico, Goiânia (GO) v. 6, n. 1, abr/2012, p.35-50.
ROSENDAHL, Zeny; CORREA; Roberto Correa.(orgs). Introdução a Geografia Cultural. Rio de Janeiro, Bertrand Brasil, 2003 224p.
ROSENDHAL, Zeny Espaço e Religião: uma abordagem geográfica. 2 ed. Rio de Janeiro: UERJ, NEPEC, [1996] 2002.
______. Espaço, cultura e religião: dimensões de analise. In: CORREA, Roberto Lobato; ROSENDHAL, Zeny (org). Introdução à Geografia cultural. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2003.
SANTOS, Alberto Pereira. Introdução à Geografia das religiões. GEOUSP: Espaço e Tempo, São Paulo, nº 11, p.2133,2002.
SYLVESTRE, Josué. Irmão vota em irmão: os evangélicos, a constituinte e a bíblia. Brasilia. Pergaminho,1986
Publicado
24/04/2018
Como Citar
CRUZ, Diego Martins. Geografia da religião, fé evangélica e espaço. Geosaberes, Fortaleza, v. 9, n. 18, p. 1 - 17, abr. 2018. ISSN 2178-0463. Disponível em: <http://geosaberes.ufc.br/geosaberes/article/view/646>. Acesso em: 14 ago. 2018. doi: https://doi.org/10.26895/geosaberes.v9i18.646.
Seção
ARTIGOS