Metodologias ativas em geografia: experiências docentes do instituto federal de educação, ciência e tecnologia do ceará (ifce)

Resumo

O uso de metodologias ativas tem se configurado como alternativa para envolver e estimular os alunos no processo de aprendizagem. No Instituto Federal do Ceará, o número de alunos desistentes e/ou com dificuldades de aprendizagem e adaptação ao perfil do aluno dos cursos médio integrados, instigou a adoção de práticas pedagógicas que buscassem capacitar de forma mais efetiva esses estudantes. Assim, as metodologias ativas passaram a fazer parte do cotidiano de muitas das aulas de Geografia. O presente trabalho tem como objetivo geral relatar as principais metodologias ativas utilizadas no ensino de Geografia desenvolvidas por docentes dos campi de Fortaleza, Umirim e Quixadá no período de 2016-2017. Para realização do trabalho, o dividimos em três etapas, a saber: 1) Revisão da literatura; 2) Aplicação de questionários, seleção das metodologias a serem utilizadas e execução das mesmas; 3) Sistematização e análise das experiências. A indicação das metodologias ativas mais atrativas para os 61 alunos os quais participaram da pesquisa, versou sobre: a) Júri simulado; b) aulas de campo/visitas técnicas; c) World Café; e d) Sala de aula invertida. Assim, na expectativa de contribuir na adoção de práticas de ensino mais contextualizadas e próximas da compreensão dos alunos, as metodologias ativas passaram a fazer parte do cotidiano de muitas das aulas de Geografia.

Biografia dos Autores

Anna Erika Ferreira Lima, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará (IFCE)

Possui Doutorado em Geografia (UFC), onde defendeu a Tese - A Geografia da Segurança Alimentar: um estudo sobre o Programa de Aquisição de Alimentos - PAA;; Mestra pelo Programa de Desenvolvimento e Meio Ambiente (PRODEMA-UFC) e graduada (LIC e Bach) em Geografia. Desde 2008 é Professora do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia (IFCE), onde foi professora do Curso Tecnológico de Gastronomia, Hotelaria e atualmente é Professora do Bacharelado em Turismo do Campus Fortaleza. É membro do Observatório Cearense da Cultura Alimentar (OCCA) e do Conselho Estadual de Segurança Alimentar e Nutricional do Ceará (CONSEA), tem experiência na área de Segurança e Soberania alimentar, DHAA, Cultura Alimentar, Gestão Ambiental e Turismo Comunitário. Hoje está como Editora - Chefe da Revista Conexões do IFCE.

Danielle Rodrigues da Silva, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará (IFCE)

Professora do curso de Licenciatura em Geografia do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará, campus Quixadá (IFCE). Possui Doutorado em Geografia pela Universidade Federal do Ceará - UFC (2016). Possui Mestrado pelo Programa Regional de Pós-graduação em Desenvolvimento e Meio Ambiente - PRODEMA/UFC (2008). É Licenciada e Bacharel em Geografia pela Universidade Federal do Ceará (2006 e 2010). Coordena o Laboratório de Ensino e Pesquisa em Geografia - LEPEG (IFCE Quixadá). É parecerista do periódico Conexões (IFCE). Em 2015 e 2016 participou como avaliadora das obras de Geografia do PNLD. Desde 2012 desenvolve atividades como assessora da Comissão Pastoral da Terra do Ceará (CPT). Tem experiência na área de Ensino Básico, Técnico/Tecnológico em Geografia, com ênfase em Geografia Humana. Atua principalmente nas seguintes áreas: Geografia Agrária, Ensino de Geografia, Movimentos Sociais e Meio Ambiente.

Enos Feitosa de Araújo, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará (IFCE)

Professor Efetivo EBTT (DI - I) do Instituto Federal do Ceará (Campus Umirim). Doutor e Mestre em Geografia da Universidade Federal do Ceará (UFC). Em suas áreas de atuação, é um pesquisador das temáticas de Geografia Humana, Geografia Urbana, Estudos Regionais e Metropolitanos, Planejamento Regional, Geografia do Turismo, Geografia do Litoral, Cartografia e Geoprocessamento.

 

Referências

ANASTASIOU, L. G. C; ALVES, L. P. (Orgs.). Estratégias de ensinagem. In: Processos de ensinagem na Universidade. Pressupostos para estratégias de trabalho em aula. 3. ed. Joinville: Univille, 2004. p. 67-100.
BERBEL, N. A. N. As metodologias ativas e a promoção da autonomia de estudantes. Semina: Ciências Sociais e Humanas, Londrina, v. 32, n. 1, p. 25-40, jan./jun. 2011.
BROWN, Juanita; World Café Community (2002). A Resource Guide for Hosting Conversations That Matter at The World Café. Whole Systems Associates. Disponível em . Acesso em 12 de janeiro de 2018.
CASTROGIOVANNI, A. C.; CALLAI, H. C.; KAERCHER, N. A. Geografia em sala de aula: práticas e reflexões. Porto Alegre: ed. da Universidade Federal do Rio Grande do Sul / AGB – seção Porto Alegre, 1999.
CAVALCANTI, Lana de S. Geografia, Escola e Construção de Conhecimentos. Editora Papirus. São Paulo. 2010.
DIESEL, Daniela; DIESEL, Aline; WERLE, Verônica. O Júri simulado como estratégia de ensino nas aulas de Educação Física do ensino fundamental: um relato de experiência. In. Anais do XIX Congresso Brasileiro de Ciência do Esporte - Vitória - ES - BRA, 2015. Disponível em .Acesso em 12 de janeiro de 2017.
KIMURA, S. Geografia no ensino básico: questões e propostas. 2. ed. São Paulo:Contexto, 2010.
KOCH, I. G. V. Argumentação e linguagem. 7. ed. São Paulo: Cortez, 2002.
MASSEY, D. Pelo Espaço: uma nova política da espacialidade. Tradução: Hilda Maciel e Rogerio Hasbaert. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2008.
MORAN, J. M. Proposta de mudanças nos cursos presenciais com a educação on-line. In: 11º Congresso Internacional de Educação a Distância. 8/09/2004. Salvador: Abed, 2004. Disponível em < http://www.eca.usp.br/prof/moran/propostas.htm>. Acesso em: 9 jun. 2016.
MORÁN, José. Mudando a Educação com Metodologias Ativas. In: Coleção Mídias Contemporâneas. Convergências Midiáticas, Educação e Cidadania: aproximações jovens. Vol. II. Carlos Alberto de Souza e Ofelia Elisa Torres Morales (orgs.). PG: Foca Foto-PROEX/UEPG, 2015. Disponível em . Acesso em 12 de mar. de 2016.
MOREIRA, R. . O pensamento geográfico brasileiro - volume 1. 1. ed. São Paulo: Contexto, 2008. v. 1. 190p .
MOREIRA, R. . O Pensamento Geográfico Brasileiro - volume 2. 1. ed. São Paulo: Contexto, 2009. v. 2. 172p
MOREIRA, R. . O Pensamento Geográfico Brasileiro - volume 3. 1. ed. São Paulo: Contexto, 2010. v. 1. 168p
MORIN, Edgar, Os sete saberes necessários à educação do futuro, tradução de Catarina Eleonora F. da Silva e Jeanne Sawaya, 2. ed. – São Paulo: Cortez,Brasília, DF: UNESCO, 2000.
OLIVEIRA, M. G.; PONTES, L. Metodologia ativa no processo de aprendizado do conceito de cuidar: um relato de experiência. In: X Congresso Nacional de Educação – EDUCERE, Pontifícia Universidade Católica do Paraná, Curitiba, 2011. Acesso em: 14 de setembro de 2013.
ROCHA, Enilton Ferreira. Metodologias Ativas: um desafio além das quatro paredes da sala de aula. fev.2014. Disponível em: < http://www.abed.org.br/arquivos/Metodologias_Ativas_alem_da_sala_de_aula_Enilton_Rocha.pdf>. Acessado em 28 fev. 2017.
VALENTE, José Armando. Aprendizagem Ativa no Ensino Superior: a proposta da sala de aula invertida. Departamento de Multimeios, Nied e GGTE - Unicamp & PucSP. Disponível em: http://www.unifebe.edu.br/site/docs/arquivos/noticias/2014/valente.pdf . Acesso em 10/01/17.
Publicado
24/04/2018
Como Citar
LIMA, Anna Erika Ferreira; SILVA, Danielle Rodrigues da; ARAÚJO, Enos Feitosa de. Metodologias ativas em geografia: experiências docentes do instituto federal de educação, ciência e tecnologia do ceará (ifce). Geosaberes, Fortaleza, v. 9, n. 18, p. 1 - 13, abr. 2018. ISSN 2178-0463. Disponível em: <http://geosaberes.ufc.br/geosaberes/article/view/657>. Acesso em: 20 jul. 2018. doi: https://doi.org/10.26895/geosaberes.v9i18.657.
Seção
ARTIGOS