Ensino de geografia, violência urbana e sua relação com a pichação e a grafitagem no espaço escolar

Resumo

A violência presente nas cidades está ligada aos atos que acontecem na escola. Portanto, muitas práticas cotidianas ditas violentas se apresentam como similares, é o caso da pichação e da grafitagem. Sendo assim, o presente artigo retrata uma proposta de abordagem qualitativa do ensino da Geografia sobre três temas pertinentes aos estudos escolares: violência, pichação e grafitagem. Com base nessas constatações, foi realizado um trabalho de pesquisa-ação, materializado através de um projeto de intervenção didático-pedagógica, desenvolvido numa escola pública da cidade de Campina Grande, PB. Os resultados indicaram que o projeto estimulou reflexões e ampliação da compreensão dos alunos acerca da violência urbana, da pichação e do grafite, além de tornarem possíveis a relação Geografia-cotidiano.

Biografia dos Autores

Eduardo Soares Silva, Universidade Estadual da Paraíba, Brasil

Graduando em Licenciatura em Geografia (UEPB).

Josandra Araújo Barreto de Melo, Universidade Estadual da Paraíba, Brasil

Professora do Departamento de Geografia (UEPB).

Referências

BARCHI, R.. Pichar, pixar, grafitar, colar: os discursos e representações sobre as pichações nas escolas analisados na perspectiva ambiental e libertária. Revista Teias: Rio de Janeiro, ano 8, nº 15-16, 2007.
BRASIL. Lei 12.408/2011. Altera o art. 65 da Lei no 9.605, de 12 de fevereiro de 1998, para descriminalizar o ato de grafitar, e dispõe sobre a proibição de comercialização de tintas em embalagens do tipo aerossol a menores de 18 (dezoito) anos. Disponível em: . Acesso: 12 abr. 2017.
CAVALCANTI, L. S. A, Geografia e a realidade escolar contemporânea: avanços, caminhos, alternativas. In: Anais do I Seminário Nacional: Currículo Em Movimento – perspectivas atuais. Anais... Belo Horizonte, 2010.
DUPÂQUIER, J. La violence em mileiu scolarie. 2 ed. Ed. Paris: Presses Universitaries de France, mar, 2000.
FERNANDES, L. D.; BARBOSA, J. G. M. Pichação como manifestação cultural: arte ou vandalismo? In: Anais do I Simpósio Mineiro De Geografia. Alfenas, 2014.
FREIRE, Z. B.; MELO, J. A. B.; SARAIVA, L. A. P. Currículo, do prescrito ao real: a flexibilização curricular a partir do cotidiano dos educandos. Geografia: Ensino & Pesquisa, v. 21, n. 01, p. 113-122, jun-abr, 2017.
RAUBER. F. A. Segregação Sócio-espacial e Violência Urbana. Toledo - PR, 2009.
SILVEIRA, R. M. P. et. al. Aula de campo como prática pedagógica no ensino de Geografia para o Ensino Fundamental: proposta metodológica e estudo de caso. Rev. Bras. Educ. Geog., Campinas, v. 4, n. 7, p. 125-142, jan./jun., 2014.
SOUZA, E. C. S. Violência urbana e cultura escolar: estudo das percepções dos atores sociais em uma escola pública (Ananindeua/Pará). Revista do Difere, v. 1, n. 2., 20.
Publicado
05/09/2018
Como Citar
SILVA, Eduardo Soares; MELO, Josandra Araújo Barreto de. Ensino de geografia, violência urbana e sua relação com a pichação e a grafitagem no espaço escolar. Geosaberes, Fortaleza, v. 9, n. 19, p. 1 - 11, set. 2018. ISSN 2178-0463. Disponível em: <http://geosaberes.ufc.br/geosaberes/article/view/665>. Acesso em: 17 nov. 2018. doi: https://doi.org/10.26895/geosaberes.v9i19.665.
Seção
ARTIGOS