Produção da moradia, desigualdade e segregação socioespacial: uma análise do programa minha casa minha vida na cidade de Castanhal, Pará

Resumo

Tanto a desigualdade como a segregação socioespacial são processos que no plano espacial combinam-se e revelam conflitos existentes na cidade contemporânea. Nesse sentido, este artigo objetiva analisar a produção da moradia em Castanhal a partir do PMCMV e sua expressão em termos de desigualdades e processos socioespaciais a ele vinculados. Para tanto, efetuou-se um levantamento e análise bibliográfica, assim como um pesquisa de campo, entrevistas semiestruturadas, observações sistemáticas qualitativas e registros fotográficos. Verificou-se que a implantação do PMCMV, ao estimular uma divisão social desigual do espaço, contribuiu para formação de novas configurações territoriais, bem como para ratificação de padrões de desigualdade e segregação socioespacial no espaço urbano de Castanhal.

Biografia do Autor

Samia Karollyne Moura da Cruz, Universidade Federal do Pará, Brasil

Mestranda do Programa de Pós-graduação em Geografia da Universidade Federal do Pará (UFPA).

Referências

ALVES, C. Formas espaciais recentes da urbanização na Amazônia: a dinâmica socioespacial do município de Castanhal em face do processo de dispersão metropolitana de Belém. 2012. 151f. Dissertação (Mestrado em Geografia) – Programa de Pós-graduação em Geografia, Universidade Federal do Pará, Belém, 2012.

ALVES, G. Privação, justiça espacial e direito a cidade. In: CARLOS, A.F.A. ALVES, G. PADUA, R.F. (Org.). Justiça espacial e o direito á cidade. São Paulo: Contexto, 2017, p.15-31.

AMARAL, M.D.B.; RIBEIRO, W.O. Castanhal (PA): entre a dinâmica metropolitana e a centralidade sub-regional de uma cidade média. Revista Eletrônica de Humanidades do Curso de Ciências Sociais da UNIFAP, Macapá, v. 9, n. 1, p. 77-105, jan./jun. 2016.

AMARAL, M.D.B. et al. . A relação campo-cidade em Castanhal-Pará: Uma analise através da presença de serviços voltados ao consumo do campo. RPGeo, Belém, 3, n. 1, 2016.

AMORE, C. S.; SHIMBO, L. Z.; RUFINO, M. B. C. (Org.). Minha Casa... e a Cidade?: avaliação do programa Minha Casa Minha vida em seis estados brasileiros. Rio de Janeiro: Letra Capital, 2015.

CARLOS, A. F. A. Diferenciação Socioespacial. Revista CIDADES, v. 4, p. 45-60, 2007.

CORRÊA, R.L. O espaço urbano. 3. ed. São Paulo: Ática, 1995.

_______. Diferenciação Sócio-espacial: escala e práticas espaciais. Revista CIDADES, v.4, p. 61-72, 2007.

_______. Sobre agentes sociais, escala e produção do espaço: um texto para discussão. In: CARLOS, A.F.A. SOUZA, M.L. ; SPOSITO, M.E.B. (Org.). A Produção do Espaço Urbano: agentes, escalas e processos. São Paulo: Contexto, 2014, p. 41-52.

DAL POZZ, C. F. Fragmentação socioespacial em cidades médias paulistas: os territórios de consumo segmentado de Ribeirão Preto e Presidente Prudente. 2015. 400f. Tese (Doutorado em Geografia) -Programa de Pós-Graduação em Geografia, Universidade Estadual Paulista Presidente Prudente, 2015.

DUARTE, G.A. A indústria e a centralidade urbano-regional de Castanhal: as relações com a metrópole e as cidades do nordeste paraense. 2013. Trabalho de Conclusão de Curso – Faculdade de Geografia e Cartografia, Universidade Federal do Pará, Belém, 2013. ().

LEFEBVRE, H. A revolução urbana. Belo Horizonte: UFMG, 2004.

_______. O espaço social. In: ________. A produção do espaço. Trad. Doralice Barros Pereira e Sérgio Martins. 2006. p.105 - 135. Disponível em: Acesso em: 20 jul. 2018

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo demográfico brasileiro. Rio de Janeiro, 2010.

LIMA, M.B. Política habitacional de interesse social e expansão urbana: experiência do conjunto habitacional parque dos castanhais – Castanhal (PA) Belém/PA. 2013. Monografia (Graduação em Geografia) – Faculdade de Geografia e Cartografia, Universidade Federal do Pará, Belém, 2013.

MELLAZO, E. S. O Programa Minha Casa Minha Vida no Estado do Rio Grande do Norte: cinco conclusões possíveis e cinco questões para a continuidade da investigação. In: Revista Formação. São Paulo: UNESP, n.23, v.1, 2016, p.92 -111.

MERCES, S. Problematização da localização dos empreendimentos do MCMV em Belém. . In: CARDOSO, A. L (Org.). O programa Minha Casa Minha Vida e seus efeitos territoriais. Rio de Janeiro: Letra Capital, 2013. p. 187 -204.

MIRANDA, R. Interfaces do rural e o urbano em área de colonização antiga da Amazônia: estudo de colônias agrícolas em Igarapé Açu e Castanhal (PA). 2009. (Dissertação de Mestrado) – Programa de Pós-Graduação em Geografia, Universidade Federal do Pará, Belém, 2009.

PEQUENO, R.; ROSA. S.V. Inserção urbana e segregação espacial: análise do Programa Minha Casa Minha Vida em Fortaleza. In: AMORE, C.S; SHIMBO, L.Z; RUFINO, M.B.C. (Org.). Minha Casa e a ... cidade: avaliação do programa em seis estados brasileiros. Rio de Janeiro: Letra Capital, 2015. p. 131-164

RIBEIRO, W. O.; LISBOA, G.; FONSECA, V. Entre a segregação e o desenvolvimento: o Parque dos Buritis no contexto do programa “Minha Casa, Minha Vida” em Castanhal, Pará. Boletim Amazônico de Geografia, v. 2, n. 3, p. 58-79, 2015.

_______. Interações espaciais na rede urbana do Nordeste do Pará: particularidades regionais e diferença de Bragança, Capanema e Castanhal. 2017. Tese (Doutorado em Geografia) – Programa de Pós-Graduação em Geografia, Universidade Estadual Paulista, Presidente Prudente 2017.

RODRIGUES, A.M. Desigualdades socioespaciais – a luta pelo direito á cidade. Revista CIDADES, v.4, p. 73-78, 2007.

RODRIGUES, J.C. O Programa Minha Casa Minha Vida e as desigualdades socioespaciais: uma análise a partir da cidade de Marabá, Pará. Caderno de Geografia, v. 26, n. 47, p. 793-816, 2016.

SIQUEIRA, J.L.F. Trilhos: o caminho dos sonhos. Bragança, 2008.

SOBRINHA, M.D. B; et al. Minha Casa Minha Vida na região metropolitana de Natal: inserção urbana, qualidade do projeto e efeitos na segregação socioespacial. In: AMORE, C.S; SHIMBO, L.Z; RUFINO, M.B.C. (Org.). Minha Casa e a ... cidade: avaliação do programa em seis estados brasileiros. Rio de Janeiro: Letra Capital, 2015. p.323- 352.

SOUZA, M. L. de. Da “diferenciação de áreas” a “diferenciação socioespacial”: a visão (apenas) de sobrevoo como uma tradição epistemológica e metodológica limitante. Revista CIDADES, v.4, p. 111-114, 2007.

_______. Os conceitos fundamentais da pesquisa sócio-espacial. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2013.

SOUZA, W.P. Periferização e cidades médias na Amazônia: o caso do bairro Fonte Boa (Castanhal-PA). Monografia (Graduação em Geografia) –: Faculdade de Geografia e Cartografia, Universidade Federal do Pará, Belém, 2012.

SPOSITO, M.E.B. Reflexões sobre a natureza da segregação espacial nas cidades contemporâneas. Revista de Geografia, n. 4, p. 71-85, 1996b.

_______. Segregação socioespacial e centralidade urbana. In: CORRÊA, R.L.; PINTAUDI, S.M.; VASCONCELOS, P.A. (Org.). A cidade contemporânea: segregação espacial. São Paulo: Contexto, 2013. p. 61-93.

_______. A produção do espaço urbano: escalas, diferenças e desigualdades socioespaciais. In: CARLOS, A.F.A.; SOUZA, M.L.; SPOSITO, M. E. B. (Org.). A produção do espaço urbano: agentes e processos, escalas e desafios. São Paulo: Contexto, 2014. p.123-145.

THERY. H. Novas paisagens urbanas do programa minha casa, minha vida. Mercator, Fortaleza, v.16, 2017.
Publicado
01/05/2019
Como Citar
CRUZ, Samia Karollyne Moura da. Produção da moradia, desigualdade e segregação socioespacial: uma análise do programa minha casa minha vida na cidade de Castanhal, Pará. Geosaberes, Fortaleza, v. 10, n. 21, p. 1 - 18, maio 2019. ISSN 2178-0463. Disponível em: <http://geosaberes.ufc.br/geosaberes/article/view/703>. Acesso em: 25 maio 2019. doi: https://doi.org/10.26895/geosaberes.v10i21.703.
Seção
ARTIGOS