Proposta metodológica de identificação do alto, médio e baixo curso da bacia hidrográfica do Rio Cocó, Ceará, Brasil

Resumo

A bacia hidrográfica constitui-se um importante sistema hídrico responsável pelo abastecimento de água para a sociedade. O esforço técnico-científico em compreender os processos hidrológicos é evidenciado através dos diversos estudos voltados à compartimentação da bacia em três setores: o alto, médio e baixo curso. Apesar da existência de trabalhos com essa temática, metodologicamente, ainda carece de formas de delimitação aplicada à teoria já existente. Esta pesquisa pretende realizar a compartimentação da bacia hidrográfica do rio Cocó. A área de estudo abrange a bacia do rio Cocó que se situa no município de Fortaleza e em alguns municípios da Região Metropolitana (Pacatuba, Maracanaú, Maranguape, Itaitinga, Aquiraz e Eusébio), territorialmente compreendendo uma área de aproximadamente 517 Km². Para a realização desta pesquisa foram necessários alguns procedimentos metodológicos tais como: levantamento bibliográfico, visitas de campo e utilização de softwares voltados ao Geoprocessamento. Com isso, foi possível perceber que as drenagens na área de alto curso exercem poder erosivo no relevo; enquanto no médio curso apresentam-se como agentes transportadores e por último, no baixo curso são caracterizadas pela deposição de sedimentos em suas margens.

Biografia do Autor

Rosilene de Melo França, Universidade Estadual do Ceará, Brasil

Geógrafa e Especialista em Geoprocessamento aplicado a Análise Ambiental e Recursos Hídricos pela Universidade Estadual do Ceará (UECE).

Referências

BARRELLA, Walter. et al. As relações entre as matas ciliares, os rios e os peixes. In: RODRIGUES, Ricardo Ribeiro; LEITÃO FILHO; Hermógenes de Freitas (Ed.). Matas ciliares: conservação e recuperação. São Paulo: EDUSP, 2001. 320p.

BRASIL. Lei nº 9.433, de 08 de janeiro de 1997. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 9 jan. 1997, p. 470. Disponível em: . Acesso em: 24 fev. 2017.

CHRISTOFOLETTI, Antônio. Geomorfologia. São Paulo: Edgard Blücher, 1980. 189p.

FITZ, Paulo Roberto. Geoprocessamento sem Complicação. São Paulo: Oficina de Textos, 2008. 160p.

GUERRA, Antônio José Teixeira; CUNHA, Sandra Baptista da (Orgs). Geomorfologia e Meio Ambiente. 3.ed. Rio de Janeiro: Editora Bertrand Brasil, 2000. 379p.

LIMA, Walter de Paula; ZAKIA, Maria José Brito. Hidrologia de matas ciliares. In: RODRIGUES, Ricardo Ribeiro; LEITÃO FILHO; Hermógenes de Freitas (Ed.). Matas ciliares: conservação e recuperação. 2.ed. São Paulo: EDUSP, 2009. 320p.

MIRANDA, José Iguelmar. Fundamentos de Sistemas de Informações Geográficas. 3.ed. Brasília: Embrapa, 2012. 425p.

NASCIMENTO, Flávio Rodrigues do. Categorização de Usos Múltiplos dos Recursos Hídricos e Problemas Ambientais: Cenários e Desafios. In: MEDEIROS, Cleyber Nascimento de; GOMES, Daniel Dantas Moreira; ALBUQUERQUE, Emanuel Lindemberg Silva; CRUZ, Maria Lúcia Brito da (Orgs.). Os Recursos Hídricos do Ceará: Integração, Gestão e Potencialidades. Fortaleza: 2011. 271p.

ROSA, Roberto. Geotecnologias na Geografia Aplicada. Revista do Departamento de Geografia, 2005, n. 16, p. 81-90.

SOUZA, Marcos José Nogueira de; NETO, José Meneleu; SANTOS, Jader de Oliveira; GONDIM, Marcelo Saraiva. Diagnóstico Geoambiental do Município de Fortaleza: subsídios ao macrozoneamento ambiental e à revisão do Plano Diretor Participativo – PDPFor. Fortaleza: Prefeitura de Fortaleza, 2009. 172p.
Publicado
01/05/2019
Como Citar
FRANÇA, Rosilene de Melo. Proposta metodológica de identificação do alto, médio e baixo curso da bacia hidrográfica do Rio Cocó, Ceará, Brasil. Geosaberes, Fortaleza, v. 10, n. 21, p. 1 - 11, maio 2019. ISSN 2178-0463. Disponível em: <http://geosaberes.ufc.br/geosaberes/article/view/722>. Acesso em: 20 out. 2019. doi: https://doi.org/10.26895/geosaberes.v10i21.722.
Seção
ARTIGOS