Análise comparativa dos serviços ecossistêmicos de áreas verdes da cidade de Natal, Rio Grande do Norte

Resumo

O tema preservação do meio ambiente vêm repercutindo fortemente particularmente quando se trata da sua utilidade para sociedade. Este artigo expõe os tipos de serviços ecossistêmicos das áreas verdes do município de Natal, especificamente desempenhados pelo Parque das Dunas de Natal e o Parque Natural Municipal da Cidade Dom Nivaldo Monte, identificando cada tipo de serviço ecossistêmico oferecido na área e frisando a relevância para os cidadãos. A metodologia de cunho qualitativo é baseada na revisão de literatura científica, trabalhos de campo e interpretação dos dados coletados. Os resultados apontam que os dois parques estudados oferecem variados tipos de serviços ecossistêmicos que se configuram como benefícios para os moradores e visitantes. Conclui-se que tais benefícios devem ser divulgados em diversos meios e serem incorporados a práticas escolares.

Biografia dos Autores

Beatriz Castro Faria, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte, Brasil

Técnica em Controle Ambiente pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do RN (IFRN).

Mayla Agnes Vicente Pereira, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte, Brasil

Técnica em Controle Ambiente pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do RN (IFRN).

João Correia Saraiva Júnior, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte, Brasil

Mestre em Geografia pela Universidade Federal do Ceará (UFC) e Docente do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do RN (IFRN).

Referências

ANDRADE, Daniel Caixeta; ROMEIRO, Ademar Ribeiro. Capital Natural, serviços ecossistêmicos e sua importância para o sistema econômico e o bem-estar humano. 2009. 1-44 p. Economia UNICAMP, SP, 2009.

AZAMBUJA ELALI, Gleice. Imagem sócio-ambiental de áreas urbanas: um estudo na Ribeira, Natal-RN-Brasil. Psicol. Am. Lat.,  México ,  n. 10, jul.  2007 .   Disponível em . acessos em  04  fev.  2019.

BARGOS, Danúbia Caborusso. Áreas verdes urbanas: um estudo de revisão e proposta conceitual. 2010. 16 p. Artigo (Mestrado em Geografia)- UNICAMP, São Paulo, 2011. Disponível em: . Acesso em: 15 dez. 2017.

BRASIL. Lei n. 16176, de 09 de abr. de 1996. Estabelece a Lei de Uso e Ocupação do Solo da Cidade do Recife. Uso e ocupação do solo. Recife, p. 3-3, abr. 1996. Disponível em: . Acesso em: 15 dez. 2017

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente, Conselho Nacional de Meio Ambiente, CONAMA. Resolução CONAMA nº 369/2006, de 29 de Março de 2006.- In: Resoluções, 2006. Disponível em: . Acesso em: 16 dez. 2017

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Plano Manejo. Resolução CONAMA nº 001, de 23 de janeiro de 1986. http://www.cprh.pe.gov.br/ARQUIVOS_ANEXO/resolu%C3%A7%C3%A3o%20conama%200186;1505;20100818.pdf. Acesso em 20 de dez. 2018.

COPQUE, Augusto Cesar et al. Expansão urbana e redução de áreas verdes na localidade do Cabula VI . [2011?]. 8 f. Dissertação de Mestrado em Engenharia)- UFBA, Bahia, 2011. Disponível em: . Acesso em: 03 fev. 2019.

FURTADO, Edna Maria. A "onda" do turismo na cidade do sol. 2005. 302 f. Tese (Doutorado) - Curso de Ciências Sociais, Ciências Sociais, UFRN, Natal, 2005. Disponível em: . Acesso em: 04 outubro de 2018.

GUZZO, P. Estudo dos espaços livres de uso publico da cidade de Ribeirão Preto/SP, com detalhamento da cobertura vegetal e áreas verdes de dois setores urbanos. Dissertação (Mestrado em Geociências e Meio Ambiente), UNESP – Universidade Estadual Paulista, Rio Claro, 1999, 125p.

LIMA, Valéria ; AMORIM, Margarete. A importância das áreas verdes para a qualidade ambiental das cidades. 2006. 1-14 p. Artigo (Geografia)- UNESP, São Paulo, 2006. Disponível em: . Acesso em: 08 mar. 2018.

MAZZEI, Kátia; COLESANTI, Marlene; SANTOS, Douglas. Áreas verdes urbanas, espaços livres para lazer. 2007. 10 p. Instituto de Geografia-UFU, Uberlândia, 2007. Disponível em: . Acesso em: 16 dez. 2018.

NATAL, Prefeitura Municipal do. Plano Diretor. SEMURB, 2007. Disponível em:
Acesso em 28 de novembro de 2018.
NATAL. Lei n. 5.915, de 07 de abr. de 2009. Adoção de Áreas Verdes Públicas no Município do Natal. Adoção de Áreas Verdes. RN, p. 1-3, abr. 2009. Disponível em: . Acesso em: 06 maio 2018.

RAMALHO, Maria de Jesus; LOURENÇO, Clécio de Carvalho; MEDEIROS, Luis da Costa. Efeitos da Dinâmica Eólica no Ambiente de Dunas em Natal/RN. 2013. 31-44 f. Geografia UFRN, Natal, RN, 2013. Disponível em: . Acesso em: 25 jun. 2018.

SANCHEZ, Luis Enrique. Avaliação de Impacto Ambiental. São Paulo: Oficina de Textos, 2008. 1-584 p.

SÃO PAULO. Lei n. 16.050, de 31 de jul. de 2014. Política de Desenvolvimento Urbano e o Plano Diretor Estratégico do Município de São Paulo. Plano Diretor Estratégico . SP, p. 156-160, jul. 2014. Disponível em: . Acesso em: 06 maio 2018.

SILVA, Matheus Lisboa Nobre; NASCIMENTO, Marcos Antonio Leite. Os Valores da Geodiversidade de Acordo com os Serviços Ecossistêmicos Sensu Murray Gray Aplicados a Estudos In Situ na Cidade do Natal (RN). [S.l.: s.n.], 2016. 354 p. Disponível em: . Acesso em: 03 fev. 2018.

VALLEJO, Luiz Renato. Unidades de Conservação. 2002. 1-22 p. Artigo Cientifico (Doutorado em Geografia) - UFF, RJ, 2002. 4. Disponível em: . Acesso em: 25 jun. 2018.
Publicado
01/05/2019
Como Citar
FARIA, Beatriz Castro; PEREIRA, Mayla Agnes Vicente; SARAIVA JÚNIOR, João Correia. Análise comparativa dos serviços ecossistêmicos de áreas verdes da cidade de Natal, Rio Grande do Norte. Geosaberes, Fortaleza, v. 10, n. 21, p. 1 - 18, maio 2019. ISSN 2178-0463. Disponível em: <http://geosaberes.ufc.br/geosaberes/article/view/730>. Acesso em: 20 out. 2019. doi: https://doi.org/10.26895/geosaberes.v10i21.730.
Seção
ARTIGOS