A (in)visibilidade do cinema brasileiro sob a globalização neoliberal

Resumo

Este estudo deriva de discussões acerca da estrutura social e produtiva do cinema brasileiro, com especialistas e cineastas. Das preocupações suscitadas sobre a reduzida visibilidade do audiovisual nacional pela população, houve a fundamentação teórica no contexto histórico e geográfico do capital neoliberal. As multinacionais controlam a distribuição cinematográfica brasileira e avançam consideravelmente sobre a produção e a exibição, com omissão do Estado nacional, que ainda facilitava sua penetração.  Assim, o imaginário brasileiro não se reproduzia nas telas e o esforço de inúmeros talentos nacionais era vilipendiado. Resultado: baixa visibilidade do filme brasileiro, encarecimento dos ingressos, baixo acesso popular, crescente domínio estrangeiro na distribuição e exibição, distintamente da década de 1970, quando o Estado incentivava o cinema nacional através da Embrafilme.

Biografia do Autor

Henrique Rudolfo Hettwer, Universidade Federal de Santa Maria, Brasil

Mestrando do Programa de Pós-graduação em Geografia da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM).

Referências

AGÊNCIA NACIONAL DE CINEMA. Informe de mercado: Distribuição em salas 2017. Disponível em www.oca.ancine.gov.br em 07/02/2019.

BANCO CENTRAL DO BRASIL. Relatório de investimento direto no país. Brasília: 2018. Disponível em https://www.bcb.gov.br/acessoinformacao/legado?url=https:%2F%2Fwww.bcb.gov.br%2FRex%2FCensoCE%2Fport%2Fresultados_censos.asp%3Fidpai%3D em 07/02/2019.

BARRETO, Luiz Carlos. Cinema brasileiro – Verdades e mentiras (Parte I). Jornal do Brasil, Rio de Janeiro: p. 9, 21/07/1990.

BRECHT, Bertold. Privatizando. In A. Citelli. Bertold Brecht: comunicação, poesia e revolução. Comunicação & Educação. [online]. 12(2), 109-112. Recuperado em 24 de abril de 2011, de http://www.revistasusp.sibi.usp.br/scielo.php?pid=S0104-8292007000200013&script=sci_arttext#nt04.
CHESNAIS, François. A mundialização do capital. São Paulo: Editora Xamã, 1996.

FURTADO, Celso. Desenvolvimento e subdesenvolvimento. Rio de Janeiro: Contraponto, 2009.

GALBRAITH, John Kenneth. A Journey Trough Economic Time. Boston: Houghton Mifflin, 1994.

GUIMARÃES, Samuel Pinheiro. Desafios brasileiros na era dos gigantes. Rio de Janeiro: Contraponto, 2005.

HARVEY, David. A condição pós-moderna. São Paulo: Edições Loyola, 2006.

MPAA. A contribuição econômica da indústria de cinema e televisão para os Estados Unidos. Washington DC: 2016. Disponível em https://www.mpaa.org/research-docs/the-economic-contribution-of-the-motion-picture-television-industry-to-the-united-states/ em 07/02/2019.

ROCHA, Glauber. Revolução do cinema novo. Rio de Janeiro: Ed. Athambra & Embrafilme, 1981.

SANTOS, Milton. Por uma outra globalização. São Paulo: Record, 2009.

______. Território, territórios: ensaios sobre o ordenamento territorial. Rio de Janeiro: Lamparina, 2007.

SCIULO, Marilia Mara. 11 curiosidades sobre Hollywood que vão mudar como você assiste a filmes. Revista Galileu. Rio de Janeiro: Editora Globo. Disponível em https://revistagalileu.globo.com/Cultura/noticia/2017/12/11-curiosidades-sobre-hollywood-que-vao-mudar-como-voce-assiste-filmes.html em 07/02/2019.

SEVCENKO, Nicolau. A corrida para o século XXI. São Paulo: Editora Schwarcz, 2009.

SEVERO, Leandro. Desnacionalização atinge 2514 empresas brasileiras em 13 anos. Disponível em https://www.intersindicalcentral.com.br/desnacionalizacao-atinge-2514-empresas-brasileiras-em-13-anos/#.XF2pP1VKi1s em 15/01/2019.

SOUZA, Nilson Araújo de. O colapso do neoliberalismo. São Paulo: Global Editora, 1995.
Publicado
01/05/2019
Como Citar
HETTWER, Henrique Rudolfo. A (in)visibilidade do cinema brasileiro sob a globalização neoliberal. Geosaberes, Fortaleza, v. 10, n. 21, p. 1 - 17, maio 2019. ISSN 2178-0463. Disponível em: <http://geosaberes.ufc.br/geosaberes/article/view/734>. Acesso em: 20 out. 2019. doi: https://doi.org/10.26895/geosaberes.v10i21.734.
Seção
ARTIGOS