Análise dos aspectos sociais e ambientais à margem do rio Maranguapinho entre os bairros Bonsucesso e Granja Portugal (Fortaleza, Ceará)

Resumo

Com aproximadamente 48 km de extensão, o rio Maranguapinho é um dos principais rios da Região Metropolitana de Fortaleza, possuindo em suas margens cerca de 9.422 famílias que vivem em áreas de risco por ocuparem parcelas territoriais impróprias para a habitação humana. Nesta perspectiva, pretende-se analisar as relações de uso e ocupação do solo entre os bairros Bonsucesso e Granja Portugal a partir das análises de campo, dados vetoriais e matriciais, e de estudos já realizados anteriormente. Considera-se que a ação antrópica é a principal modificadora da paisagem causando também um desequilíbrio ambiental que descaracteriza a área de estudo. Como uma contrapartida nesta situação, o poder público busca revitalizar a região, de forma que possa ser recuperada tanto no que se refere ao ambiental quanto ao urbano/social.

Biografia dos Autores

Luan de Paula dos Santos, Universidade Estadual do Ceará, Brasil

Bacharel em Geografia pela Universidade Estadual do Ceará (UECE).

Henrique Eder Cavalcante Araújo, Universidade Estadual do Ceará, Brasil

Licenciado em Geografia pela Universidade Estadual do Ceará (UECE).

Referências

ANDRADE, Jacqueline Meneses de; LUNA, Renata Mendes; CYSNE, Andréa Pereira; CAVALCANTE, Angela Quezado de Figueiredo. A urbanização da bacia do Rio Maranguapinho - uma intervenção do governo do estado do Ceará, Brasil. In: ENCONTRO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL, 3.; ENCONTRO NORDESTINO DE BIOGEOGRAFIA, 5., 2013, João Pessoa. Anais do III encontro nacional de educação ambiental e V encontro nordestino de biogeografia. João Pessoa, PB: Editora Universitária, 2013. p. 829 – 840. Disponível em: . Acesso em: 06 nov. 2017.

ALMEIDA, L. Q. de. Riscos ambientais e vulnerabilidades nas cidades brasileiras : conceitos, metodologias e aplicações. São Paulo: Cultura Acadêmica/ UNESP, 2012. 215 p.

AQUINO, Afonso Rodrigues de; PALETTA, Francisco Carlos; ALMEIDA, Josimar Ribeiro de (Orgs.). Risco Ambiental. São Paulo: Edgard Blucher, 2017. 135 p. Disponível em: . Acesso em: 28 ago. 2017.

CAVALCANTE, J.C.; VASCONCELOS, A.M.; MEDEIROS, M.F.; Paiva, I.P.; GOMES, F.E.M.; CAVALCANTE, S.N.; CAVALCANTE, J.E.; MELO, A.C.R.; DUARTE NETO,V.C.; BENEVIDES, H.C. Mapa Geológico do Estado do Ceará – Escala 1:500.000. Fortaleza: Serviço Geológico do Brasil, 2003. 1 p.

SERVIÇO GEOLÓGICO DO BRASIL. Mapa Geológico do Estado do Ceará – Escala 1:500.000. Fortaleza: CPRM, 2003. 1 CD-ROM.

DAGNINO, Ricardo.; CARPI JUNIOR, S. Risco ambiental: conceitos e aplicações. Climatologia e estudos da paisagem, v. 2, p. 50-87, 2007.

FORTALEZA. Lei complementar nº 236, de 11 de agosto de 2017. Dispõe sobre o parcelamento, o uso e a ocupação do solo no Município de Fortaleza, e adota outras providências. Diário Oficial do Município, Fortaleza, CE, 11 ago. 2017. Disponível em: . Acesso em: 06 nov. 2017.

FUNDAÇÃO CEARENSE DE METEOROLOGIA E RECURSOS HÍDRICOS. Sistemas meteorológicos causadores de chuva na região nordeste do Brasil. Fortaleza: FUNCEME, 2002. Disponível em: . Acesso em: 11 jun. 2017.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Base Cartográfica Integrada Digital do Brasil ao Milionésimo. Brasília: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, 2006. Disponível em: . Acesso em 11 set. 2017.

______. Sinopse por setores IBGE censo 2010. Disponível em: . Acesso em 20 jun. 2017.

MAIA, Judária Augusta. Análise Geoecológica das Paisagens e Planejamento Ambiental da Bacia do Rio Maranguapinho, Ceará, Brasil. 2015. 192 f. Tese (Doutorado em geografia) – Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2015. Disponível em: . Acesso em 20 ago. 2017.

QUESADO JÚNIOR, N.; CAVALCANTE, I. N.. Hidrogeologia do município de Fortaleza, Ceará - Brasil. Revista Águas Subterrâneas, São Paulo, 2000. Disponível em: . Acesso em: 20 ago. 2017.

REIS, Janete Teresinha; ROBAINA, Luis Eduardo de Souza . Áreas de risco: o caso da Vila Bilibio. Ciência e Natura, Santa Maria, RS, v. 31, p. 121-139, 2009.

SALES, Luiz Belino Ferreira. Análise sócio-ambiental do segmento do baixo curso do rio Maranguapinho na cidade de Fortaleza-Ce: relações sociedade x natureza. 2004. 133 f. Dissertação (Mestrado em Geogtafia) - Universidade Federal do Ceará, Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa. Programa Regional de Pós-Graduação em Desenvolvimento e Meio Ambiente, Fortaleza, 2004. Disponível em: < http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/16778>. Acesso em: 15 jun. 2017.

SANTOS, Jader de Oliveira. Fragilidade e riscos socioambientais em Fortaleza-CE: contribuições ao ordenamento territorial. 2011. 331 f. Tese (Doutorado em Geografia Física) - Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2011. Disponível em: . Acesso em: 11 jun. 2017.

SILVEIRA, Clóvis Eduardo Malinverni da.. Uma breve análise sobre a integração entre as dimensões científica e axiológica na construção do risco ambiental. Revista Eletrônica Direito e Política, Itajaí, SC, v. 8, n. 1, p. 127-145, 2013. Disponível em: . Acesso em: 17 jun. 2017

SOUZA, M. J. N; NETO, J. M; SANTOS, J. O; GONDIM, M. S. Diagnóstico Geoambiental do Município de Fortaleza: subsídios ao macrozoneamento ambiental e à revisão do Plano Diretor Participativo – PDPFor. Fortaleza: Prefeitura de Fortaleza, 2009.

VEYRET, Y. (Org.). Os riscos: o homem como agressor e vítima do meio ambiente. São Paulo: Contexto, 2007. 320 p.
Publicado
01/05/2019
Como Citar
SANTOS, Luan de Paula dos; ARAÚJO, Henrique Eder Cavalcante. Análise dos aspectos sociais e ambientais à margem do rio Maranguapinho entre os bairros Bonsucesso e Granja Portugal (Fortaleza, Ceará). Geosaberes, Fortaleza, v. 10, n. 21, p. 1 - 21, maio 2019. ISSN 2178-0463. Disponível em: <http://geosaberes.ufc.br/geosaberes/article/view/738>. Acesso em: 25 maio 2019. doi: https://doi.org/10.26895/geosaberes.v10i21.738.
Seção
ARTIGOS