Áreas centrais, entre oportunidades e desafios: notas com base na realidade de Uberlândia, Minas Gerais

Resumo

Este artigo objetiva apresentar considerações sobre as transformações e as intervenções urbanísticas nas áreas centrais, considerando o exemplo de Uberlândia-MG. Realiza-se uma apreciação dos Planos Diretores Municipais, do Projeto de Requalificação da Área Central e Fundinho no Contexto dos Bairros e do Plano de Diretor de Transportes e Mobilidade Urbana de Uberlândia (PlaMob). Ratifica-se a relevância das leis e planos que contemplem os instrumentos urbanísticos que visem à construção de cidades mais sustentáveis, embora estes por si só, não sejam garantia de mudanças, sendo, portanto comumente não implementados, por vários motivos, dentre os quais o conflito de interesses em torno do uso e ocupação do solo urbano. Logo, ratifica-se também a importância de que os planos sejam democráticos, e consequentemente exequíveis.

Biografia dos Autores

Lidiane Aparecida Alves, Prefeitura Municipal de Uberlândia, Brasil

Professora de Geografia na Prefeitura Municipal de Uberlândia e Doutora em Geografia pelo Instituto de Geografia da Universidade Federal de Uberlândia.

Vitor Ribeiro Filho, Instituto de Geografia da Universidade Federal de Uberlândia, Brasil

Professor Doutor do Instituto de Geografia da Universidade Federal de Uberlândia.

Referências

ATTUX, D. E. Revitalização urbana em centros históricos: estudo de caso do bairro Fundinho. 280 f. Dissertação. (Mestrado em Geografia)-Programa de Pós-Graduação em Geografia da Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, 2001.
BENEVOLO, L. História da cidade. São Paulo: Perspectiva, 1983.
CAMPOS, H. Á. Permanências e mudanças no quadro de requalificação sócio-espacial da área central do Recife (PE): um estudo sobre territorialidades urbanas em dois setores revitalizados. 261p. Tese (Doutorado em Geografia)- Centro de Ciências e Matemáticas da Natureza, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1999.
CARLOS, A. F. A. A urbanização da sociedade: questões para o debate. In: OLIVEIRA, M. P. de et al. (Org.). O Brasil, a América Latina e o mundo: espacialidades contemporâneas (II). Rio de Janeiro: Lamparina: Faperj, Anpege, 2008, p. 49-60.
CORRÊA, R. L. Processos e formas espaciais e a cidade. In: ______. Trajetórias Geográficas. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1997, p. 121-143.
______. O espaço urbano. São Paulo: Ática, 2005.
CASTELLS, M. A questão urbana. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 2000.
DEL RIO. V. Cidade da mente, cidade real. In: DEL RIO, V.; OLIVEIRA, L de. (Orgs.). Percepção Ambiental: A experiência brasileira. São Paulo: Studio Nobel, 1996.
FERREIRA, J. S. W. Alcances e limitações dos instrumentos urbanísticos na construção de cidades democráticas e socialmente justas. In: CONFERÊNCIA DAS CIDADES, 5. , 2003, Brasília. Textos de apoio as discussões da Mesa Redonda- Plano Diretor e Instrumentos Tributários e de Indução do Desenvolvimento... Brasília, DF, 2003
FRÚGOLI JÚNIOR, H. Centralidade em São Paulo. São Paulo: Cortez: Edusp: Fapesp, 2000.
LEFEBVRE, H. A revolução urbana. Belo Horizonte: UFMG; 1999.
_______. O direito à cidade. Tradução Rubens Eduardo Frias. 5ªed. São Paulo: Centauro, 2008.
LOZANO, L. P. G. A mundialização do espaço urbano: O caso do centro antigo de Bagdá. 2008. 340f.Tese (Doutorado)- Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas,Universidade de São Paulo,São Paulo, 2008.
MAGALHÃES, R. A. M. O Centro do Rio na década de 1990: requalificação e Reafirmação da Centralidade Principal. In: Encontro Nacional da ANPUR, 9., 2001. v.1, Rio de Janeiro, ...., Rio de Janeiro, RJ, 2001.
MARICATO, E. Brasil, cidades: alternativas para a crise urbana. Petrópolis, Rio de Janeiro: Vozes, 2001.
RIBEIRO FILHO, V. A configuração da área central de Manaus e sua dinâmica recente. 2004, 246 f. Tese (Doutorado em Geografia). Programa de Pós-Graduação em Geografia, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2004.
RELP, E. C. A paisagem urbana moderna. Lisboa: Edições, 1990.
SALGUEIRO, T. B. Do comércio a distribuição: roteiro de uma mudança. Oeiras: Celta, Lisboa, 1995.
______. Cidade pós-moderna: espaço fragmentado. In: Revista Território, ano 3, n 4, p.39-53, 1998.
SANTOS, M. O Centro da Cidade do Salvador. Salvador: Livraria Progresso, 1958.
______.Técnica, Espaço, Tempo: globalização e meio técnico-cientifico-informacional. São Paulo: Hucitec, 1996.
SOUZA, M. J. L. de. Desenvolvimento Urbano: a problemática renovação de um conceito problema. Revista Território, n. 5, ano 3, p. 9-11. 1998.
SPOSITO, M. E. B. O chão em pedaços: urbanização, economia e cidades no Estado de São Paulo. 2004. 508f. Tese (Livre Docência)-Faculdade de Ciências e Tecnologia, Universidade Estadual Paulista, Presidente Prudente, 2004.
UBERLÂNDIA. Lei complementar nº 432/2006: Aprova o plano diretor do município de Uberlândia, estabelece os princípios básicos e as diretrizes para sua implantação, revoga a lei complementar nº 078 de 27 de abril de 1994 e dá outras providências. Disponível em: http://www.uberlandia.mg.gov.br/uploads/cms_b_arquivos/2273.pdf. Acesso em: 26 jan. 2014.
_____. Revisão do Plano Diretor do município de Uberlândia, 2016. Disponível em . Acesso em: 20 jul 2017.
______. Plano Diretor de Transporte e Mobilidade Urbana de Uberlândia. Versão Preliminar. Uberlândia, 2010.
VAZ, J. C., Desenvolvimento Urbano. In: POLIS - Instituto de Estudos, formação e assessoria em políticas sociais, 2006. Disponível em: http://www.centrodacidade.com.br/cultura/centrodacidade.htm. Acesso em 11 abr. 2011.
VILLAÇA, F., Espaço intra-urbano no Brasil. São Paulo: Studio Nobel; FAPESP: Lincoln Institute, 2001.
Publicado
02/09/2017
Como Citar
ALVES, Lidiane Aparecida; RIBEIRO FILHO, Vitor. Áreas centrais, entre oportunidades e desafios: notas com base na realidade de Uberlândia, Minas Gerais. Geosaberes, Fortaleza, v. 8, n. 16, p. 23 - 40, set. 2017. ISSN 2178-0463. Disponível em: <http://geosaberes.ufc.br/geosaberes/article/view/608>. Acesso em: 17 nov. 2018. doi: https://doi.org/10.26895/geosaberes.v8i16.608.
Seção
ARTIGOS