A geografia escolar no contexto da reforma do ensino médio: uma análise para além do lugar

Resumo

O propósito, neste trabalho, é fazer uma análise das consequências para o processo formativo dos estudantes secundaristas, bem como dos prejuízos para o projeto da Geografia Escolar, advindos da desobrigação do ensino de Geografia em todas as séries da etapa final da educação básica, conforme propõe a Lei nº 13.415/2017, que reformula o ensino médio no Brasil. Para tanto, nos empenhamos em compreender a reforma do ensino médio no âmbito da categoria totalidade (SANTOS, 2006). A metodologia aplicada se baseou em pesquisa bibliográfica. Concluímos, a partir dos estudos realizados, que a desobrigação do ensino de Geografia contribuirá para a formação de jovens com menor capacidade de compreensão crítica da realidade social. Certamente, em função da acriticidade juvenil, será produzido, neste país, um cenário ideal para a submissão humana à racionalidade técnica, bem como para a expansão do capital rentista (MOREIRA, 2018). Em relação ao projeto da Geografia Escolar, que tem como meta contribuir para o desenvolvimento do pensamento espacial dos estudantes, com ênfase à sua autonomia para pensar e agir sobre o mundo, esta reforma se traduz em um golpe. Este campo do saber deixará de ser obrigatório na etapa final da educação básica, quando os estudantes, em função da idade mais avançada, possuem maior maturidade para a compreensão da proposta central desta ciência.

Biografia do Autor

Maciel Pereira da Silva, Universidade de Brasilia

Doutorando do curso e pós-graduação em Geografia da Universidade de Brasília (UNB) e professor efetivo na Secretaria de Estado de Educação do Distrito Federal (SEEDF)

Referências

BANCO INTERNACIONAL PARA RECONSTRUÇÃO E DESENVOLVIMENTO (BIRD). Estratégia 2020 para a Educação. Aprendizagem para Todos. Washington, D.C.: Grupo Banco Mundial, 2011.
BRASIL, Lei nº 13.415, de 16 de fevereiro de 2017 e institui a Política de Fomento à Implementação de Escolas de Ensino Médio em Tempo Integral. Diário Oficial da União em 17 de fev. 2017.
CAVALCANTI, Lana de Souza. Ensino de Geografia e demandas contemporâneas. In: ASCENÇÃO, Valéria de Oliveira Roque.... [et. al.] (Orgs.). Conhecimentos da Geografia: percursos de formação docente e práticas na educação básica. Belo Horizonte: IGC, 2017.
HEIDEGGER, Martin. Introdução à filosofia. 2ª ed. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2009.
KOSIC, Karel. Dialética do Concreto. 2ª ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1976.
LIBANEO, José Carlos. O dualismo perverso da escola pública brasileira: escola do conhecimento para os ricos, escola do acolhimento social para os pobres. Revista Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 38, n. 1, p. 13-28, 2012
MOTTA, Vânia Cardoso e FRIGOTTO, Gaudêncio. Por que a urgência da reforma do ensino médio? Medida provisória n.746/2016. Educ. Soc. Campinas. V, 38. n. 139, p.507-524, abr./jun., 2017.
ORTEGA Y GASSET, José. Meditação da Técnica: vicissitudes das ciências cacofonia da física. Rio de Janeiro: Livro ibero-americano limitada, 1963.
SILVA, Alcinéia de Souza; SOBRINHO, Hugo de Carvalho; LEITE, Cristina Maria Costa. Análise crítico-reflexiva da reforma do ensino médio: o ensino de geografia em questão. Revista de Ensino de Geografia, Uberlândia, v. 8, n. 14, p. 128-140, jan./jun. 2017.
SANTOS, Milton. A natureza do espaço: Técnica e tempo, Razão e emoção. 4 ed. 2ª reimpressão. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2006.
SOUSA NETO, Manoel Fernandes. Queime depois de ler. In: SPÓSITO, Eliseu Savério. et al. (Orgs). A diversidade da Geografia brasileira: escalas e dimensões da análise e da ação. Rio de Janeiro: Consequência Editora, 2016.
Publicado
17/12/2018
Como Citar
SILVA, Maciel Pereira da. A geografia escolar no contexto da reforma do ensino médio: uma análise para além do lugar. Geosaberes, Fortaleza, v. 10, n. 20, p. 1 - 10, dez. 2018. ISSN 2178-0463. Disponível em: <http://geosaberes.ufc.br/geosaberes/article/view/687>. Acesso em: 17 jan. 2019. doi: https://doi.org/10.26895/geosaberes.v10i20.687.
Seção
ARTIGOS