ETNOPEDOLOGIA DOS NITOSSOLOS PELOS CACAUICULTORES DA FAZENDA MORRO REDONDO EM BARRO PRETO-BA

Resumo

O trabalho objetivou identificar o conhecimento dos agricultores de cacau sobre os atributos morfológicos e as práticas adotadas para o manejo da classe dos Nitossolo e assim comparar os fatores que divergem e convergem com aqueles descritos na literatura. Quatro agricultores da Fazenda Morro Rendo participaram do estudo. A propriedade está situada no município de Barro Preto-BA, e as famílias investigados possuem mais de 25 anos de experiência com a cultura do cacau. As entrevistas foram orientadas por um formulário dividido em três blocos: atributos morfogenéticos/classificação, manejo do solo e etnoecologia. As respostas foram analisadas e comparadas com aspectos abordados pela Embrapa (2013), IBGE (2015), Sodré (2017) e ADAFAX (2013). Os atributos morfogenéticos, cor e cerosidade divergiram do conhecimento científico. Nas questões de manejo, apenas o preparo do solo divergiu da literatura científica, demonstrando uso de uma técnica obsoleta. Um agricultor conseguiu identificar o solo em campo sem ajuda técnica. Os dados encontrados indicam que os conhecimentos locais sobre os Nitossolos convergem com muitos aspectos abordados pelo saber científico, exceto para cor, cerosidade e preparo do solo. Assim, ainda necessita de estímulo para pesquisas que levem em consideração o conhecimento popular para que assim facilite o manejo e a conservação do solo.

Biografia dos Autores

Raul Silva Oliveira, Universidade Federal do Espírito Santo

Mestrando em Produção Vegetal na Universidade Federal do Espírito Santo (UFES).

Fábio dos Santos Massena, Universidade Estadual de Santa Cruz

Professor e Pesquisador da Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC).

Tássio Chaves Santos, Universidade Estadual de Santa Cruz

Eng. Agrônomo da Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC).

Referências

ADAFAX - Associação para o desenvolvimento da agricultura familiar do Alto do Xingu. Cultivos e Manejo de Cacaueiros. São Feliz do Xingu: ADAFAX, 2013. 36p. Disponível em: < http://www.fundovale.org/wp-content/uploads/2016/04/IEB_Cacau_Adafax_site.pdf>. Acesso em: 09 abr, 2018.

ALVES, A. G. C.; MARQUES, J. G. W. Etnopedologia: uma nova disciplina? Tópicos em ciência do solo. Viçosa: Sociedade Brasileira de Ciência do Solo. v. 4, cap. 8, p. 321-344, 2005. Disponível em: . Acesso em: 18 fev. 2018

ALVES, A. G. C.et al. Caracterização Etnopedológica de Planosolos utilizados em cerâmica artesanal no agreste paraiabano. Revista Brasileira de Ciência do Solo. Vol. 29, p. 379-388, 2005. Dispovível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-06832005000300008>. Acesso em: 13 fev. 2018

ARAÚJO, A. L. et al. Etnopedologia: um abordagem das etnociências sobre as relações entre as sociedades e os solos. Ciência Rural, Santa Maria, vol. 43, n. 5, p. 854-860, 2013. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/cr/v43n5/a14813cr6653.pdf>. Acesso em: 18 fev. 2018

BOSSOLANI, J. W. Reaplicação superficial de calcário e gesso em sistemas de plantio direto: efeitos no solo e na sucessão de culturas. 2018. 129 f. Tese (Mestrado em agronomia) – Faculdade de Engenharia de Ilha Solteira , UNESP, Ilha Solteira, 2018. Disponível em: . Acesso em: 20 de abr. 2018.

CYPRIANO,R. J.; TEXEIRA, R. D. L. Etnociência da ciência: a busca por simetria na pesquisa científica. Rev. Inter. Interdisciplinar INTERthesis, Florianópolis, v.14, n. 3, p.01-13. 2017. Disponível em: . Acesso em: 19 de ago. 2018

CHEPOTE, R. E. et al. Recomendações de corretivos e fertilizantes na cultura do cacaueiro no Sul da Bahia. Ilhéus, BA, CEPLAC/CEPEC, 2013. 44f. (Boletim Técnico nº 203). Disponivel em: . Acesso em: 20 abr. 2018.

EMBRAPA - EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA. Centro Nacional de Pesquisa de Solos (Rio de Janeiro, RJ). SOLOS DA REGIÃO SUDOESTE DA BAHIA: Atualização da legenda de acordo com o Sistema Brasileiro de Classificação de Solos. 1. ed. – Rio de Janeiro: EMBRAPA-SPI, 2002. Disponível em: . Acesso em: Jan de 2018.

_________. Centro Nacional de Pesquisa de Solos (Rio de Janeiro, RJ). Sistema brasileiro de classificação de solos. 3. ed. – Rio de Janeiro: EMBRAPA-SPI, 2013.
HARRIS, M. Teorías sobre la cultura enla era posmoderna. Barcelona, Crítica, 2000, 217p. Disponível em: . Acesso em: 24 de mar. de 2018.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatistica (IBGE). Manual Técnico de Pedologia. ed. 2. Rio de Janeiro, RJ. IBGE, 2015. Disponível em: . Acesso em: 09 de abr. 2018.

LEPSCH, I. F. Formação e conservação dos solos. 2. ed. São Paulo: Oficina de Textos. 2010. Disponível em: . Acesso em: 20 de abril de 2018.

MASSENA, F. S. Condições de sustentabilidade ambiental de comunidades rurais em áreas de proteção ambiental: O caso do Retiro e da Tibina, Ilhéus, Bahia. 2015. 174 f. Tese (Doutorado em Desenvolvimento e Meio Ambiente). Universidade Estadual de Santa Cruz, Ilhéus-BA. 2015.

MORAIS NETO, S. P. Acidez, alcalinidade e efeitos da calagem no solo. Platina, DF, Embrapa Cerrados, 2009. Disponível em: . Acesso em: 10 de abr. 2018.

PALMEIRA, D. D. Viabilidade econômica do cultivo de cacaueiros em latossolos amarelos distróficos sob calagem e adubação: Estudo preliminar. 2009. Trabalho de conclusão de curso (Engenharia Agronômica) – Faculdade de Ciências Agrárias, Universidade Federal do Pará, Altamira-Pa. 2009.

REICHERT, J. M. Mecânica do Solo. In: Sociedade Brasileira de Ciência do Solo (SBCS).
(Org.). Física do Solo. Pág. 33. Viçosa, MG. 2010

SODRÉ, G. A. Cultivo do cacaueiro no estado da Bahia. 2. ed. Ilhéus: MAPA, Ceplac, 2017.
Publicado
31/12/2019
Como Citar
OLIVEIRA, Raul Silva; MASSENA, Fábio dos Santos; SANTOS, Tássio Chaves. ETNOPEDOLOGIA DOS NITOSSOLOS PELOS CACAUICULTORES DA FAZENDA MORRO REDONDO EM BARRO PRETO-BA. Geosaberes, Fortaleza, v. 11, p. 1 - 11, dez. 2019. ISSN 2178-0463. Disponível em: <http://geosaberes.ufc.br/geosaberes/article/view/789>. Acesso em: 25 fev. 2020. doi: https://doi.org/10.26895/geosaberes.v11i0.789.
Seção
ARTIGOS