Desertification and school knowledge in the seridó potiguar: environmental education as a possibility of training and citizenship

Abstract

In the Brazilian semi-arid zone, desertification is a serious environmental problem. Thus, the plans for its mitigation instituted education as a social intervention tool in the affected areas. However, these actions have not been effective. This work aimed to evaluate the knowledge of desertification in a basic education school of Seridó Potiguar, to characterize their conceptual representation among students, the relation with human actions and the strategies of environmental education on the question. A semi-structured questionnaire approaching conceptual, contextual and causal aspects of desertification praised by educational standards was used. The preliminary evidences point to the fragility of the knowledge about the desertification and its social and environmental correlations, which can be improved from the creation of a effective policy of environmental education in the school.

Author Biographies

Marcelo Silva de Lucena, Universidade Federal de Campina Grande, Brasil

Mestre em Ciências Florestais, pelo Programa de Pós-Graduação em Ciências Florestais, Universidade Federal de Campina Grande.

Alessandro Augusto de Barros Façanha, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Brasil

Professor do Curso de Pedagogia (UFRN).

Rayane Karinny Gomes Berto, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Brasil

Graduanda em Pedagogia (UFRM).

References

BAUMAN, Z. A ética é possível num mundo de consumidores? Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor Ltda, 2011. 276p.
BARDIN, L. Análisis de contenido (Vol. 89). Madrid, Ediciones Akal, 1996. 192p.
BRASIL. Lei n° 9795, DE 27 DE ABRIL DE 1999. Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. Diário Oficial da União. Brasília, 27 de Abril de 1999. Disponível em: Acesso em: 30 de Ago de 2016.
BRASIL. Programa de Ação Nacional de Combate à Desertificação e Mitigação dos Efeitos da Seca - PAN Brasil. Brasília: Centro de Informação, Documentação Ambiental e Editoração Luís Eduardo Magalhães - CID Ambiental, 2005.
CARVALHO, I. C. M. A invenção do sujeito ecológico: identidades e subjetividade na formação dos educadores ambientais. In: SATO, M.; CARVALHO, I. C. M. (orgs) Educação Ambiental: pesquisa e desafios. Porto Alegre: Artmed, 2005.
CAVALCANTI, E. R. Educação ambiental e educação contextualizada com base na convivência com o semiárido. In: LIMA, R. C. C.; CAVALCANTE, A. M. B.; PEREZ-MARIN, A. M. Desertificação e mudanças climáticas no semiárido brasileiro. Campina Grande: INSA-PB, 2011. Disponível em: Acesso em: 13 de Nov de 2013.
COSTA, T. C. C.; OLIVEIRA, M. A. J.; ACCIOLY, L. J. O.; SILVA, F. H. B. B. Análise da degradação da Caatinga no núcleo de desertificação do Seridó (RN/PB). Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, Campina Grande, v. 13, p. 961-974, 2009. Disponível em: Acesso em: 03 de Out de 2013.
DANTAS, C. C. G. Gestão ambiental: um estudo sobre a percepção do problema da desertificação no Estado do Rio Grande do Norte. Natal, UFRN, 2005, 100p. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção) - Universidade Federal do Rio Grande do Norte, 2005.
FERNANDES, V.; SAMPAIO, C. A. C. Problemática ambiental ou problemática socioambiental? A natureza da relação sociedade/meio ambiente. Desenvolvimento e Meio Ambiente, Curitiba, v.18, p.87-94, 2008. Disponível em: Acesso em: 26 de Dez de 2016.
GUATTARI, F. As três ecologias. 15ª ed. Campinas: Papirus, 2009. 56p.
GIL, A. C.. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2002. 176p.
INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA – IBGE. Censo de 2010, 2010. Disponível em:< http://www.censo2010.ibge.gov.br/>. Acessado em: 12 de Dezembro de 2016.
JACOBI, P. R. Educação ambiental: o desafio da construção de um pensamento crítico, complexo e reflexivo. Educação e pesquisa, São Paulo, v.31, n.2, p. 233-250, 2005.
KUHN, T. S. A estrutura das revoluções científicas. São Paulo: Editora Perspectiva S.A, 5ª edição, 1998. 257p.
LEFF, E. Saber ambiental: sustentabilidade, racionalidade, complexidade e poder. Petrópolis –RJ: Vozes, 2001. 343p.
LOUREIRO, C. F. B.; CUNHA, C. C. Educação ambiental e gestão participativa de unidades de conservação: elementos para se pensar a sustentabilidade democrática. Ambiente & Sociedade, Campinhas, v.2, n.2, p. 237-253, 2008. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-753X2008000200003 Acesso em: 26 de Dez de 2016.
MARIN, A. A.; OLIVEIRA, H. T.; COMAR, V. A educação ambiental num contexto de complexidade do campo teórico da percepção. Interciência, Caracasm v. 28, n. 10, p. 616-619, 2003. Disponível em: Acesso em: 24 de Jun de 2016.
MARTINS, J. S. Anotações em torno do conceito de educação para a convivência com o semiárido. In: Rede de Educação do Semiárido Brasileiro (Ed). Educação para a convivência com o semiárido: reflexões teórico-práticas. 2ª edição. Juazeiro/BA: Selo Editorial Resab, 2006.
MATALLO JÚNIOR, H. Indicadores de Desertificação: histórico e perspectivas. Brasília: UNESCO, 2001. 119p. Disponível em: Acesso em: 26 de Nov de 2015.
MELO, M. G. D. Educação ambiental na escola. Sem informação, 2015.
NASCIMENTO, F.; FERNANDES, H. L.; de MENDONÇA, V. M. O ensino de ciências no Brasil: história, formação de professores e desafios atuais. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, v.10, n.39, p.225-249,2010. Disponível em: < http://www.histedbr.fe.unicamp.br/revista/edicoes/39/art14_39.pdf> Acesso em: 26 de Dez de 2016.
OLIVEIRA, D. F.; VALENTE, V. Percepção ambiental entre alunos do colégio Tiradentes e do colégio Estadual Coronel Pilar, na cidade de Santa Maria, RS. Disciplinarum Scientia, , Santa Maria, v. 12, n. 1, p. 71-83, 2011. Disponível em: Acesso em: 13 de Jun. de 2016.
PEREZ-MARIN, A. M.; CAVALCANTE, A. M. B.; MEDEIROS, S. S.; TINÔCO, L. B. M.; SALCEDO, I. H. Núcleos de desertificação no semiárido brasileiro: ocorrência natural ou antrópica? Parcerias Estratégicas, Brasília, v.17, n.34, p.87-106, 2012. Disponível em: Acesso em
RÊGO, A. H. Os sertões e os desertos: o combate à desertificação. Brasília: FUNAG, 2012. 204p. Disponível em:
Acesso em: 17 de Set de 2015.
SANTANA, M.O (Org.). Atlas das áreas suscetíveis à desertificação do Brasil. Brasília: Ministério do Meio Ambiente, 2007. 136p.
SANTOS, J. M. Estratégias de convivência para a conservação dos recursos naturais e mitigação dos efeitos da desertificação no semiárido. In: LIMA, R. C. C. CAVALCANTE, A. M. B. PEREZ-MARIN, A. M. Desertificação e mudanças climáticas no semiárido brasileiro. Campina Grande: INSA-PB, 2011. 211p.
Disponível em: Acesso em: 13 de Nov de 2013.
SILVA, M. M.; NOVAES, J. A. M.; PARAHYBA JUNIOR, R. A. Abordagem do tema desertificação nos livros didáticos de geografia e biologia no ensino médio. OKARA, João Pessoa, v.3, n.1, p.168-185, 2009. Disponível em: Acesso em: 16 de Jun de 2016.
Published
02/09/2017
How to Cite
LUCENA, Marcelo Silva de; FAÇANHA, Alessandro Augusto de Barros; BERTO, Rayane Karinny Gomes. Desertification and school knowledge in the seridó potiguar: environmental education as a possibility of training and citizenship. Geosaberes, Fortaleza, v. 8, n. 16, p. 41 - 52, sep. 2017. ISSN 2178-0463. Available at: <http://geosaberes.ufc.br/geosaberes/article/view/606>. Date accessed: 05 oct. 2022. doi: https://doi.org/10.26895/geosaberes.v8i16.606.
Section
ARTICLES

Keywords

Educação ambiental; desertificação; conhecimento escolar.