Inserção de princípios da antropogeomorfologia no ensino médio: subsídios ao desenvolvimento da linguagem cartográfica e de concepções da Geografia Física

Resumo

Este trabalho teve como objetivo apresentar os resultados de ensaios cartográficos realizados por discentes do ensino médio para a classificação do uso e cobertura da terra em possível cenário de pré-perturbação antrópica. Com base nessa apresentação, discutir a potencialidade de aplicação de princípios da Antropogeomorfologia para o desenvolvimento de habilidades relacionadas ao raciocínio geográfico desses alunos. Os documentos cartográficos foram elaborados por meio da fotointerpretação de imagens anáglifos geradas no ambiente de software livre. A adaptação de procedimentos metodológicos da Antropogemorfologia forneceu subsídios para o reconhecimento do estágio de intervenção antrópica em cenário pretérito e, ainda, auxiliou na análise preliminar sobre a evolução temporal do uso e cobertura da terra e na definição de um quadro de violações de dispositivos da legislação ambiental vigente. Assim, admite-se que os pressupostos teórico-metodológicos adotados nesse estudo se constituem como recurso no processo de ensino-aprendizagem da linguagem cartográfica e de questões ambientais no ensino médio.

Biografia dos Autores

Leandro de Godoi Pinton, Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM), Brasil

Professor do Departamento de Geografia da Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM).

Tainá Medeiros Suizu, Universidade Federal de Goiás (UFG), Brasil

Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Ciências Ambientais da Universidade Federal de Goiás (UFG). 

Augusto Luchesi Matos, Instituto Federal de São Paulo (IFSP), Brasil

Discente do Curso Técnico em Informática para Internet Integrado ao Ensino Médio do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Estado de São Paulo (IFSP), Campus São Carlos.

Lucas Celestino de Oliveira, Instituto Federal de São Paulo (IFSP), Brasil

Discente do Curso Técnico em Informática para Internet Integrado ao Ensino Médio do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Estado de São Paulo (IFSP), Campus São Carlos.

Referências

ALMEIDA, F. F. M. de. et al. Brazilian structural provinces: an introduction. Earth-Science Reviews, v. 17, p. 1-29, 1981.

BRASIL. Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012. Dispõe sobre a proteção da vegetação nativa; altera as Leis nos 6.938, de 31 de agosto de 1981, 9.393, de 19 de dezembro de 1996, e 11.428, de 22 de dezembro de 2006; revoga as Leis nos 4.771, de 15 de setembro de 1965, e 7.754, de 14 de abril de 1989, e a Medida Provisória nº 2.166-67, de 24 de agosto de 2001; e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 28 maio 2012. Disponível em: . Acesso em: 14 jul. 2019.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE. Manual técnico de uso da terra. 3. ed. Rio de Janeiro: IBGE, 2013.

KÖPPEN, W.; GEIGER, R. Klimate der Erde. Gotha: Klett-Perthes, 1954. 1:16.000.000.

LIMA, R. P. O processo e o (des)controle da expansão urbana de São Carlos (1857-1977). 2007. 193 f. Dissertação (Mestrado em Teoria e História da Arquitetura e do Urbanismo) – Escola de Engenharia de São Carlos, Universidade de São Paulo, São Carlos, 2007.

NIR, D. Man, a geomorphological agent: an introduction to anthropic geomorphology. Jerusalem: Keter Publishing House, 1983.

PINTON, L. de G.; MATOS, A. L. Aplicação da cartografia geomorfológica de detalhe no ensino médio: subsídios à compreensão da ordem taxonômica da classificação do relevo brasileiro. In: SIMPÓSIO NACIONAL DE GEOMORFOLOGIA, 12., 2018, Crato. Anais... Crato: Universidade Regional do Cariri, 2018. p. 1-11.

PINTON, L. de G.; OLIVEIRA, L. C. de. Potencialidades de aplicação da cartografia geomorfológica de detalhe no ensino médio através da análise de cartas topográficas. In: SIMPÓSIO NACIONAL DE GEOMORFOLOGIA, 12., 2018, Crato. Anais... Crato: Universidade Regional do Cariri, 2018. p. 1-10.

RODRIGUES, C. Geomorfologia aplicada: avaliação de experiências e de instrumentos de planejamento físico-territorial e ambiental brasileiros. 1997. 299 f. Tese (Doutorado em Geografia Física) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1997.

ROSS, J. L. S.; MOROZ, I. C. Mapa geomorfológico do estado de São Paulo: escala 1:500.000. São Paulo: FFLCH-USP; IPT; FAPESP, 1997. 2 v.

SÃO CARLOS (Cidade). Secretaria Municipal de Habitação e Desenvolvimento Urbano – SMHDU. Processo de elaboração do plano diretor do município de São Carlos. São Carlos: Prefeitura Municipal de São Carlos, 2002. 1 CD-Rom.

SIMIELLI, M. E. R. Cartografia no ensino fundamental e médio. In: CARLOS, A. F. A. (Org.). A Geografia na sala de aula. 9. ed. São Paulo: Contexto, 2011. p. 92-108.
Publicado
01/09/2019
Como Citar
PINTON, Leandro de Godoi et al. Inserção de princípios da antropogeomorfologia no ensino médio: subsídios ao desenvolvimento da linguagem cartográfica e de concepções da Geografia Física. Geosaberes, Fortaleza, v. 10, n. 22, p. 62 - 71, set. 2019. ISSN 2178-0463. Disponível em: <http://geosaberes.ufc.br/geosaberes/article/view/794>. Acesso em: 16 set. 2019. doi: https://doi.org/10.26895/geosaberes.v10i22.794.
Seção
ARTIGOS